Por toda a noite (Through the night)

Por toda a noite (Through the night)

Dirigido por

Loira Limbal

Gênero

Documentário

Ano

2020

Estreia

09.Nov.20 às 19h

Duração

72 minutos

País

Estados Unidos

Este filme só pode ser assistido por visitantes de Brasil.

Compartilhe

Os estadunidenses e imigrantes residentes nos Estados Unidos têm acumulado extensas jornadas em diferentes trabalhos para conseguir se sustentar. Esse novo contexto de lavor ininterrupto resulta no inesperado fenômeno das creches que funcionam 24 horas por dia. Por toda a noite é um documentário de estilo verité que investiga os custos da nossa economia contemporânea através das experiências de duas mulheres – mães e trabalhadoras – e também da administradora da creche, cuja vida é indissociável da rotina do espaço que administra.

Assim, acompanhamos a história de uma mãe que trabalha em um hospital durante o período noturno; de outra mãe que acumula três trabalhos simultâneos para sustentar a família; e de Nunu, uma mulher que há duas décadas toma conta dos filhos e filhas das mães e pais que necessitam de creche. Filmado ao longo de dois anos – incluindo feriados, semanas cheias e períodos noturnos –, Por toda a noite revela o impacto do aumento da desigualdade de renda nos EUA, bem como registra os fortes laços estabelecidos entre mães e pais, crianças, cuidadoras e cuidadores.

Assista aqui a entrevista com a diretora Loira Limbal realizada pela curadora Janaína Oliveira na ocasião da exibição do filme durante o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul: Brasil, África, Caribe e Outras Diásporas.

Direção: Loira Limbal
Roteiro: Loira Limbal
Produção: Loira Limbal, Jameka Autry
Produção executiva: Sally Jo Fifer, Justine Nagan, Chris White
Consultoria de produção: Esther Robinson, Duana Butler, Judith Helfand, Monika Navarro
Produtora associada: Tatiyana Jenkins
Montagem: Malika Zouhali-Worrall
Direção de fotografia: Naiti Gamez
Som: Emily Strong
Trilha Sonora: Osei Essed

Filmes relacionados

  • Lúcia no céu com semáforos

    Um ser que só tem existência corporal, um objeto usado para satisfazer necessidades e desejos. Na tela, Lúcia preserva apenas um olhar distante que esconde gritos, medos e explosões. É sempre ostracizada e silenciada pela sociedade sexista que em nenhum momento considera sua opinião e desejos. Lúcia é o relato silencioso da mulher associado a

  • Dízimos e oferendas (Tithes and offerings)

    Um pastor queniano fajuto acidentalmente faz um milagre real.

  • Ruim é ter que trabalhar

    Alguns dias antes da copa do mundo no Brasil, um operário reflete sobre seu trabalho.

  • Tudo que é apertado rasga

    Na tentativa de forjar uma ferramenta capaz de operar o corte por justiça, Tudo que é apertado rasga retoma e intervém em imagens de arquivo, reestudando parte da cinematografia nacional à luz da presença e agência do ator e da atriz negra.