Monangambee

Dirigido por

Sarah Maldoror

Gênero

Ficção

Ano

1969

Estreia

29 de agosto (domingo) às 19h

Disponível até 31 de agosto às 18h

Duração

16'

País

Argélia

Compartilhe

“Monangambee” era o grito de guerra entoado por ativistas durante a luta anticolonial pela libertação de Angola para reunir os vilarejos. Monangambee também é o título do curta-metragem dirigido por Sarah Maldoror que aborda a arrogância dos portugueses com relação à cultura angolana. A cineasta inspirou-se em um conto de José Luandino Vieira, que narra a história de um preso político, para realizar um filme sobre humilhação, solidariedade e resistência. Cópia restaurada em 2K a partir do original em 16 mm pelo Instituto Arsenal de Cinema e Videoarte de Berlim.

Direção: Sarah Maldoror
Roteiro: Sarah Maldoror, Mario de Andrade, Serge Michel
Produção: Département Orientation et information du Front National de Libération
Empresa produtora: C.O.N.C.P. (Conférence des Organisations Nationales des Colonies Portugaises)
Música: Art Ensemble de Chicago
Com: Carlos Pestana, Noureddine Dreis, Mohamed Zinet, Athmane Sabi, Elisa Pestana.

Filmes relacionados

  • Você me esconde (You Hide Me)

    No ano de 1970, um marcante, notável e controverso documentário intitulado Você me Esconde chocou o mundo ao desvelar a “Colonização da Arte Africana no Museu Britânico”, em Londres. Escrito, produzido e dirigido pelo cineasta ganês Nii Kwate Owoo, o filme, que se tornou um sucesso imediato e uma lenda, expôs as políticas dos regimes

  • Monangambee

    “Monangambee” era o grito de guerra entoado por ativistas durante a luta anticolonial pela libertação de Angola para reunir os vilarejos. Monangambee também é o título do curta-metragem dirigido por Sarah Maldoror que aborda a arrogância dos portugueses com relação à cultura angolana. A cineasta inspirou-se em um conto de José Luandino Vieira, que narra

  • Pátria (Zahlvaterschaft)

    Gerson Liebl, neto de um oficial colonial alemão estacionado no Togo na primeira década de 1900, tem lutado para obter a cidadania alemã nos últimos 30 anos. Como último recurso, Gerson decide fazer uma greve de fome. As imagens de sua perseverança inabalável em frente à prefeitura de Berlim são acompanhadas de depoimentos, textos oficiais

  • Entenda o processo colonial em 5 minutos

    Construído como parte da estrutura dramatúrgica da peça Black Brecht: e se Brecht fosse negro?, apresentada pelo Coletivo Legítima Defesa em 2019, este filme/vídeo-intervenção faz uso da montagem, de conteúdos da internet e da potente performance sonora de Roberta Estrela D’Alva para desnudar o saque dos territórios do Sul Global pelos países do Norte Global.